Pipi (p.61)

  1. e)
  2. No trecho I, o narrador observador apenas acompanha os movimentos, os gestos e as características físicas dos hóspedes. Parece bem próximo a eles, mas não é capaz de desvendar-lhes os pensamentos. Conta apenas o que foi capaz de ver. No trecho II, o narrador descreve a única reação visível ante a fala da menina, a do senhor idoso, de óculos, mas não é capaz de apresentar ao leitor o que vai em seu íntimo.
  3. (2) (5) (3) (4) (1)
  4. O narrador a apresenta com muitos adjetivos e reforça-os, usando três vezes o intensificador “muito”: “muito distinta, muito elegante, muito bem vestida.”
  5. É um preparo que o narrador faz já pensando no fim da história, atendendo ao princípio da decorrência para impactar o leitor com a situação constrangedora que se desencadeará.
  6. O contraste entre a elegância, a formalidade e a ética social em uma necessidade tão básica do ser humano, a de urinar.
  7. A desconhecida e elegante senhora tornou-se conhecida e “normal”. A responsável por isso foi a ingênua e tagarela menininha, com sua revelação pública de que a mãe teria atendido a uma necessidade fisiológica.
  8. a) A sineta do almoço acaba de vibrar/soar pela segunda vez.                             b) O primeiro que aparece é um homem entre trinta e cinquenta anos, barbeado recentemente, ressumbrando saúde e bom humor.                             c) A recém-chegada […] – um tanto encabulada/embaraçada/acanhada – procura sentar-se à mesa.                                                                                                  d) O velho de óculos encara-a com um olhar de acusador/ditador.                  e) Os que comem juntos […] entregam-se apressadamente ao trabalho da mastigação.                                                                                                                               f) Ninguém mais fala. Só se ouve o bater das mandíbulas, o barulho das línguas e o ruído dos talheres.                                                                                           g) Todos riem, à exceção do velho de óculos, que franze as sobrancelhas e murmura algumas palavras incompreensíveis.
  9. a) Presente do indicativo                                                                                                     b) A crônica é um texto curto. Essa organização verbal promove rapidez à cena, deixando a leitura mais agradável.                                                                  c) O humor que finaliza o texto, pois descreve como uma criança quebrou a formalidade com sua fala inusitada, inesperada.
  10. A menina pede, em voz alta, para fazer “pipi”, deixando a mãe vermelha (corada) de vergonha.
  11. a) A ingenuidade, a inocência.                                                                                          b) O humor acontece porque a menina “denuncia” a mãe por ter feito “pipi” também.                                                                                                                       c) (resposta oral)                                                                                                                   d) Provavelmente não. Atualmente, a quebra da formalidade em certas situações é vista como menos gravidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *