Arquivo da categoria: Correção de Atividades

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO V: GRÉCIA ANTIGA

AGORA É SUA VEZ

  1. Devemos ressaltar aqui as condições técnicas eleitorais brasileiras, capazes de anunciar o nome do presidente  eleito no mesmo dia em que ocorre sua eleição; a possibilidade de se instalar terminais interligados ao sistema judiciário eleitoral em vários locais, permitindo a contínua comunicação do eleitor com a Justiça Eleitoral. Títulos Eleitorais em forma de cartões magnéticos facilitariam essa atividade, embora ainda exista a compra de votos. Devemos destacar, no entanto, que os meios de comunicação-informação deveriam ser protegidos por lei de todo tipo de pressão e, acima de tudo, apolíticos. Ainda uma última e fundamental questão a ser destacada é o sistema educacional do país, que deve ser capaz de formar cidadãos conscientes, críticos e ativos, capazes de analisar e julgar todas as informações possíveis a respeito do político.
  2. C
  3. B
  4. As Guerras Médicas (Pérsicas) entre gregos e persas ocorreram a partir do século V a.C. e duraram aproximadamente 50 anos. O início do conflito se deu com o contato entre gregos e persas na região que hoje corresponde à Turquia. Mas logo esse conflito chegou ao território grego, onde os persas prepararam um ataque massivo aos atenienses, que estrategicamente os detiveram. Após diversas batalhas, os persas foram derrotados. Essas guerras mudaram a História da Antiga Grécia, marcando o início de um período de união seguindo de várias disputas, fragilizando todo o país e possibilitando, por fim, sua dominação pelos macedônios, dando início ao grandioso e efêmero Império Greco-Macedônico, cujo grande nome foi o general Alexandre, o Grande.
  5. Resposta pessoal. O conceito de cultura nos ajuda a entender melhor “o conjunto das realizações humanas, materiais ou imateriais”, consideradas fundamentais na compreensão do processo histórico.
  6. Resposta pessoal. A contextualização cultural, geográfica, cronológica e histórica é de suma importância para pautar o trabalho do historiador e a análise da História.
  7. Resposta pessoal.
  8. Alexandre fundou inúmeras cidades, as famosas Alexandrias, que se tornaram centros difusores da cultura grega, promovendo a mistura desta com as culturas orientais, o que ficaria conhecido como helenismo.
  9. Resposta pessoal e de pesquisa.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. a) No lendário país habitado pelos Ciclopes, não há lei, governo e, tampouco, a ideia de cidadania, o que não ocorre na maioria das cidades gregas antigas, em que há todas essas características. /// b) Esparta destacava-se por sua estrutura militar e por seu governo oligárquico. Atenas destacou-se por suas características democráticas, atingidas depois de um longo processo de evolução política. /// c) A democracia grega não permitia a participação das mulheres; porém, abria a possibilidade de cada cidadão (homem, ateniense e livre) participar ativamente das decisões políticas. A democracia atual permite a participação da mulher; no entanto, faz com que a atuação do cidadão na administração do governo se dê por meio de um representante.
  2. 13 = 1+4+8
  3. C
  4. C
  5. A
  6. B
  7. E
  8. a) A identidade dos gregos não era estabelecida por sua unidade política, pois eles se organizavam em cidades-Estado, caracterizadas pela autonomia. No entanto, sua origem (aqueus, eólios, dórios e jônios), sua língua (ática) e sua religião (politeísta e antropomórfica) os faziam gregos. /// b) Era a cidade-Estado grega. Cada uma das mais de cem pólis vivia autônoma politicamente, não havendo, portanto, a não grega no sentido político do termo.
  9. A
  10. E
  11. B
  12. A
  13. B
  14. D
  15. A Confederação (ou Liga) de Delos  foi uma reunião das várias cidades gregas, sob a liderança de Atenas, para enfrentar os persas. Depois das Guerras Médicas, os atenienses passaram a exercer forte influência sobre as demais cidades-Estado. Já a Guerra do Peloponeso foi um conflito entre aliados de Atenas e Aliados de Esparta, que disputavam a hegemonia na Grécia. A Guerra teve duração de quase 30 anos e provocou, por fim, a derrota de Atenas e o fim da sua era de prestígio.
  16. a) A cidade grega caracterizava-se pela sua independência em relação às demais. Neste contexto, o conceito de Estado era encontrado em cada cidade que, em sua autonomia, nao estava vinculada politicamente às demais, formando o que veio a ser conhecido cidade-Estado. /// b) Os poucos polos de fertilidade do território grego não favoreceram  a prática da agricultura, que, majoritariamente, se restringiu à produção para o consumo local. Em relação ao  comércio, a despeito da existência de um litoral recortado e nem sempre propício a aportamentos, algumas regiões portuárias se destacaram; por exemplo, o litoral ateniense. A localização da Península Balcânica favorecia o contato com comerciantes que circulavam pelo Mar Mediterrâne, o que fez do comércio a atividade econômica principal dessa cidade.
  17. C
  18. a) O texto trata do Oriente conquistado por Alexandre. Na perspectiva grega, todos os povos que tinham culturas diferentes da grega eram considerados bárbaros. /// b) Alexandre tentou integrar política e culturalmente todos os povos das terras conquistadas. Havia a preocupação de difundir o pensamento grego, o que resultou nas reelaborações culturais conhecidas como Helenismo. /// c) Foi no Século V a.C que a democracia ateniense atingiu a maturidade. Esse século conheceu o governo de Péricles, que criou edifícios imponentes na cidade-Estado. Atenas vivenciou, neste momento, o auge de seu desenvolvimento cultural e artístico. Depois das Guerras Médicas, Atenas estabeleceu sua hegemonia sobre a região.

1º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO IV – HEBREUS, FENÍCIOS E PERSAS

AGORA É SUA VEZ

  1. Êxodo: episódio que trata da saída do povo hebreu do Egito, sob liderança de Moisés. Segundo a Bíblia e a tradição hebraica, essa peregrinação durou cerca de 40 anos. Durante esse período, os filhos de Israel teriam recebido os Dez Mandamentos. Ainda hoje, as festividades da Pessach (Páscoa) ocorrem como celebração desse episódio. A manutenção desta comemoração é uma das várias formas por meio das quais os judeus da atualidade se conectam à sua história e às suas tradições. /// Diáspora: episódio ocorrido cerca de 70 d.C., quando o general Tito, em nome do Império Romano, sufoca uma revolta na província romana da Judeia, destruindo o Templo de Jerusalém pela segunda vez. Dentre as principais consequências dessa repressão, destaca-se a dispersão (diáspora) do povo judeu pelo mundo. Os resultados dessa dispersão podem ser verificadas ainda hoje. Com a fundação do Estado de Israel, após a Segunda Guerra Mundial, o povo judeu voltou a ter uma pátria. No entanto, as condições em que essa nova nação foi estabelecida acabaram gerando conflitos par aos quais ainda não há solução. São os famosos conflitos árabe-israelenses.
  2. Resposta pessoal. Tenha em mente as razões que levaram ao estabelecimento de determinadas regras existentes na Torá e sua ligação com o contexto histórico do período em que foram escritos.
  3. A escrita é importante para a manutenção dos mais variados tipos de saberes humanos. Como exemplo, podemos citar o trabalho que é desenvolvido no Colégio, que se tornaria muito mais difícil sem o uso da escrita. Além disso, podemos destacar que a escrita nos dá acesso a uma diversidade de informações do mundo.
  4. À época do Império Persa, os sátrapas era, designados pelo imperador, sem que houvesse espécie alguma de consulta popular. Atualmente, no Brasil, a população elege seus representantes em todas as instâncias: municipal, estadual e federal.
  5. Tiro foi uma das mais importantes cidades fenícias. Em seu grande porto, mantinha-se relações comerciais com toda a área do Mediterrâneo. Nesse sentido, o texto apresenta a importância do mar e de alguns dos variados produtos comercializados na região para os fenícios.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. B
  2. SEQUÊNCIA CORRETA: F, F, V, F, V.
  3. C
  4. B

1º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO III

AGORA É SUA VEZ

  1. Devemos ter em mente que a História é possível de diferentes interpretações, e a História Antiga não foge a essa regra. Além disso, precisamos ter em mente que o trabalho da Arqueologia é de extrema importância para a escrita dessa História. Esse texto, extraído da apostila, aponta isso: “A forma como geralmente esses assuntos são abordados nas escolas dá a falsa impressão de que tudo o que seria possível conhecer sobre a Antiguidade já está desvendado. Porém, a todo tempo, surgem diferentes perspectivas diante de novos achados arqueológicos”.
  2. No topo da pirâmide social figurava o rei, cujo o poder estava ligado à religião; em seguida, vinham os “homens livres”, de cujo grupo faziam parte os sacerdotes,  escribas, funcionários reais, soldados, camponeses, artífices, pequenos proprietários de terras e comerciantes, que tinham menor influência social. Na base, encontravam-se os escravos.
  3. Todas as respostas dessa atividade são de cunho pessoal. Ao respondê-las, tenha em mente o sistema judiciário mesopotâmico e o brasileiro.
  4. a) É provável que o rei queria demonstrar o seu poder e superioridade em relação aos outros povos. Repare que os habitantes de Tela não se prostraram aos pés de Assurbanipal. Ele tinha convicção de que era um representante dos deuses, devendo ser obedecido. ///// b) Em tese, cidades fortificadas, poderoso exército. ///// c) Como podemos perceber, os assírios eram, de fato, um povo bélico, ou seja, um povo que se valia da violência em suas guerras. Observe que, na conquista de Téla, o rei lançou muitos à chama, cortou mãos e dedos, nariz e as orelhas e, em alguns, o rei arrancou os olhos, além de afogar os filhos e filhas.
  5. Resposta pessoal. Podemos destacar que, de forma geral, os rios, na atualidade, não são tratados com o mesmo cuidado do passado. Podemos observar que as cidades cresceram em torno deles, não obedecendo o seu leito, o que leva a inundações em tempos de chuva, por exemplo. Podemos destacar também que o esgoto é canalizado para os rios, contaminando-os. Em decorrência disso, se faz necessário o tratamento dessa água para consumo. Em alguns casos, como o Rio Tietê, em São Paulo, o estado é tão crítico que se torna impossível tratar a água para ser utilizada pela população.
  6. Devemos ter em mente que, na atualidade, a ideia de legitimidade de um governante não se dá a partir da escolha dos deuses, mas da escolha popular. O presidente, governador, prefeito, por exemplo, estão no poder por terem sido eleitos pelo povo e, no caso do Brasil, democraticamente, através do voto. Logo, estes governantes têm responsabilidades e direitos. Por isso, a interlocução com o povo deveria ser muito maior. A diferença é clara em relação ao Egito Antigo, pois sua legitimidade residia no fato de ele ser uma divindade.
  7. Apesar de crerem na vida após a morte, os mesopotâmicos não a entendiam como algo desejável, pois, segundo suas crenças, os mortos habitariam um lugar profundo, escuro, sem ter esperança alguma de algo melhor. Essa ideia fazia com que as pessoas tentassem aproveitar a vida ao máximo, pois o que viria depois não era compensador. Já entre os egípcios, grande parte das atividades religiosas apontavam para a vida após a morte. Prova disso são os textos hieroglíficos que tratam do assunto, como o Livro dos Mortos, a mumificação, a construção de pirâmides.
  8. A
  9. A
  10. a) Crença na vida após a morte, politeísmo e antropozoomorfismo são algumas características da religiosidade presente na iconografia. Tais traços podem ser observados nos deuses que conduzem o morto em cada cena do julgamento. Anúbis tinha cabeça de chacal e habitava o deserto. Thot tinha cabeça de íbis, era associado à Lua e considerado o inventor da Matemática, contador e escriba dos deuses. Percebe-se que muitas dessas atividades eram humanas e realizadas na sociedade. Hórus tinha cabeça de falcão e era considerado o deus do céu. b) Podemos destacar na pintura egípcia duas características: 1) frontalidade: em geral, os corpos estão sempre virados para frente, apesar de as cabeças estarem, em sua maioria, representada em perfil; 2) verticalidade: os egípcios faziam suas pinturas na vertical.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. Devemos destacar as funções administrativas e religiosas da escrita egípcia, que era fundamental para o domínio do governo faraônico sobre a sociedade. Na atualidade, o analfabetismo é uma barreira para a efetiva participação das pessoas nas discussões políticas e sociais. Por isso, o saber ler e escrever é fundamental ar o exercício da cidadania e deve ser acessível a todos os brasileiros.
  2. C
  3. D
  4. B
  5. D
  6. D
  7. C
  8. Sequência correta das respostas: V, V, F, V, F.
  9. B
  10. B

 

1º ENSINO MÉDIO: CORREÇÃO DO ESTUDO DIRIGIDO DOS MÓDULOS I E II

Olá, queridos alunos e queridas alunas. 

Vamos à correção das atividades que foram passadas no quadro! Lembre-se: estas atividades funcionam como um resumo para o estudo para  a prova. Porém, não deixe de ler o material do caderno e do livro, ok?

Então, vamos lá!

  1. a) Historiografia é a ciência que estuda a História. É a partir dela que as diferentes interpretações históricas são encontradas. A partir daí, os textos produzidos pelos historiadores são analisados por outros pesquisadores, uma vez que cada um conta um fato histórico a partir de sua visão de mundo. Assim, a Historiografia pode funcionar como um filtro, onde cada pesquisador observa o que foi escrito e como aquilo recebeu influência de um grupo de pessoas ou do pensamento de uma pessoa. ///// b) O historiador é o profissional que cuida do estudo da História. É ele que estuda os documentos históricos, os organiza e, por fim, definem aquilo que é a verdade dos fatos. O livro que usamos, por exemplo, foi organizado por historiadores. ///// c) Fonte histórica ou documento histórico são todos os vestígios deixados pelo ser humano no decorrer do tempo. Como exemplo, podemos citar fotografias, cartas, diários, música, teatro, pinturas, cerâmicas, esculturas, edificações, jornais, livros, revistas, mapas, entre tantos outros. Na atualidade, a História oral, passada de uma geração à outra, também tem sido considerada um documento histórica. ///// c) Podemos dizer que cultura é a maneira como as pessoas entendem o mundo, a sua religião, os diversos papéis atribuídos a cada um dentro da sociedade, bem como a criatividade do humana na arte, arquitetura, música, linguagem, entre outros. Logo, precisamos entender que não existe uma só cultura, mas diversas culturas no mundo. ///// d) Quando falamos de multiculturalismo, estamos nos referindo à diversidade de culturas que existe no mundo. Logo, precisamos ter em mente que não existe superioridade cultural, mas diversidade cultural, que deve ser respeitada.
  2. A História, de forma geral, sempre é contada a partir de relações de poder. Diante disso, muito do que é escrito, leva em consideração um grupo social em detrimento de outro, uma religião em superioridade à outra, etc. Assim, muitos historiadores afirmam que conhecemos a “História dos Vencedores”, pois as camadas mais altas da sociedade acabam por ditar aquilo que seria um correto modo de vida. Diante disso, é comum observarmos que, quando lemos sobre a escravidão no Brasil, por exemplo, as referências que temos é sempre do grupo dominante – o colonizador português -, e nenhuma dos escravos, pois estes, em tese, não escreviam. Na atualidade, as relações de poder continuam quando considerados a História escrita leva em consideração as relações de poder político, religioso e econômico sobre a sociedade.
  3. Tempo cíclico: aquele em que o fim é sempre um novo começo, como acontecia com o calendário asteca, que se reiniciava a cada 52 anos. Tempo linear: neste pensamento, a história do mundo teve um início e caminha para um fim último, como acontece na cultura judaico-cristã que tanto nos influencia.
  4. Fernand Braudel dividiu o tempo em três conceitos: 1) Curta duração: é o tempo dos acontecimentos, caracterizados por eventos breves, como um golpe político, uma disputa eleitoral ou a assinatura de uma lei; 2) Média duração: é o tempo das conjunturas, marcado por transformações mais lentas, mas que podem ser percebidas no decorrer da vida de uma pessoa, como a vigência de um sistema econômico ou a duração do reinado de um monarca; 3)Longa duração: é o tempo das estruturas, formado por processos históricos que demoram longos períodos de tempo para ocorrer. É o caso dos valores morais, que se transformam muito lentamente.
  5.   Annale École (Escola dos Annales): March Block e Lucien Febvre, fundadores da revista “Anais de História Econômica e Social”, faziam uma crítica à análise da história somente sob o viés político. Assim, buscavam diálogo com diversas ciências e a ampliação dos documentos históricos. // Materialismo Histórico (Marxismo): era baseado nas ideias de Karl Marx, que defendia que a História humana era baseada na luta de classes. Defendia que o capitalismo, em algum momento, chegará a seu colapso, o que fará necessário o estabelecimento do comunismo. É hoje o viés histórico mais utilizado nas universidades brasileiras.
  6. Em resumo, segundo o Modelo Criacionista, toda a existência do Universo e da Terra é resultado do trabalho de um Criador,  que cria, a princípio, o matéria e, a partir dela, em seis dias cria tudo o que conhecemos até os dias de hoje, entre 6 e 10 mil anos atrás. No Modelo Evolucionista existe a defesa do surgimento do Universo a partir do nada, onde partículas de matéria aos poucos foram surgindo e, a partir do que se chama “caos primordial”, essa matéria se junta, aumentando as pressões em um núcleo, que levou à explosão o Big Bang, se organizando a matéria a partir daí em bilhões de anos, e se evoluindo. Vale destacar que as duas teorias têm outras correntes que defendem aspectos divergentes, mas com a ideia principal delas sendo defendidas pelos diversos cientistas que as estudam.
  7. O conceito de raça, biologicamente falando, é um conceito que obedece a diversos parâmetros para classificar diferentes populações de uma mesma espécie biológica de acordo com suas características genéticas ou fenotípicas. Segundo as Ciências Humanas, como a História e a Sociologia, raça pode ser entendida como um constructo social, usado para distinguir pessoas em termos de uma ou mais marcas físicas. Em outras palavras, raça é uma categoria usada para se referir a um grupo de pessoas cujas marcas físicas são consideradas socialmente significativas. O Criacionismo acredita que esse conceito, quer seja humanística ou biologicamente, traz sem sai  ideia de diferenças entre os diversos grupos humanos: brancos, pretos, pardos, indígenas, etc. Partindo do pressuposto de que todos foram criados iguais, aspectos relacionado à cor, local de nascimento, aparência física, entre outros, não podem ser levados em consideração, pois pode dar a ideia de superioridade racial, como acontecia no Século XIX, onde os brancos europeus eram considerados superiores aos outros povos.  Assim, o conceito de etnia é comumente utilizado entre os criacionistas, pois  está relacionada à coletividade de indivíduos que se diferencia por sua especificidade sociocultural, refletida principalmente na língua, religião e maneiras de agir.
  8.  a) Australopithecus: postura bípede, aparência semelhante à dos macacos, já começava a caminhar ereto, com cerca de 1m de altura, vivendo em pequenos bandos nas florestas e savanas. ///// b) Homo habilis: primeira espécie do gênero Homo. Não vivia mais em árvores, medindo cerca de 1m., sendo o primeiro a fabricar objetos de pedra, osso e madeira. ///// c) Homo erectus: de 1,3 a 1,7m de altura, andava completamente ereto, começou a dominar o fogo e a lascar a pedra; morava em cavernas e foi a primeira espécie a sair da África. ///// d) Homo sapiens: mais próximo do homem atual, tinha modo de vida parecido com o nosso, se tornando sedentário. ///// e) Homo sapiens sapiens: o homem atual. Desenvolveu a técnica da cerâmica e da metalurgia. Construiu cidades e desenvolveu a agricultura e a criação de animais. Elaborou a linguagem falada e, depois, a escrita. ///// f) Homo neandethalensis (ou Homem de Neanderthal): conviveu com o Homo sapiens. Vivia em bandos. Fabricava instrumentos de pedra, vestia-se com peles de animais e enterrava seus mortos. Comunicava-se por meio de sons articulados.
  9.  a) Paleolítico (ou Idade da Pedra Lascada): teve início com  o surgimento do Homo habilis, há cerca de 2 milhões de anos. Viviam em grupo e garantiam sua subsistência por meio da caça, da pesca e da coleta de frutos e raízes. utilizavam objetos feitos de madeira, pedra, ossos e dentes de animais. O ser humano era nômade, e conseguiram dominar o fogo. ///// b) Neolítico (ou Revolução Neolítica): a cerca de 12 mil anos atrás, os caçadores e coletores haviam acumulado uma razoável bagagem cultural. Já identificavam os animais que podiam caçar e as plantas que eram comestíveis ou úteis para o tratamento de doenças. Desenvolveram crenças religiosas, geralmente ligadas à natureza. O desenvolvimento da agricultura e a domesticação de animais é desse período. ///// c) Idade dos Metais: cerca de 5000 a.C, os instrumentos de pedra aos poucos foram substituídos por metais, a princípio o cobre e, em cerca de 1500 a.C., o uso do ferro. O cobre era mais maleável, podendo ser moldado a frio. Já o ferro exigia mais trabalho, uma vez que só se fundia a uma temperatura de 1100ºC.
  10. Ver a imagem de origemDuas prováveis ocupações: a primeira seria pelo Estreito de Bering, entre a Ásia e a América. Segundo esta teoria, o homem teria atravessado da Rússia para a região do Alaska durante um período de glaciação, a cerca de 15 mil anos atrás. A partir daí, o homem foi ocupando o restante do continente americano. Outra forma de ocupação foi através de povos antigos que navegavam em pequenos barcos, saindo da Ásia e da Oceania, em direção às Américas. Quando observamos nossos povos ameríndios, podemos perceber, por exemplo, que eles têm olhos puxados, como acontecem com os povos asiáticos e os povos aborígenes da Oceania. O que nos difere é, em geral, a cor da pele. É preciso destacar, porém, que com a descoberta do fóssil de Luzia, encontrado no Brasil, tem levantado questionamentos destas teorias, uma vez que teria cerca de 12000 anos, levando a datação da ocupação das Américas em cerca de 50000 anos atrás.
  11.  O Crescente Fértil é de suma importância para o desenvolvimento humano. Acredita-se que a presença dos Rios Tigre e Eufrates, bem como do Rio Nilo, favoreceram o processo de sedentarização do  ser humano, uma vez que a presença de água em abundância favoreceu o desenvolvimento da agricultura. Graças a isso, os primeiros núcleos urbanos passaram a existir, dando origem às primeiras civilizações da humanidade.

1º EM: DEBATE SOBRE A PRÉ-HISTÓRIA – CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULOII

PÁG. 20

AGORA É SUA VEZ

  1. Quando falamos na origem do conceito de Pré-História, precisamos ter em mente que ele considera primitivos os povos sem escrita. Em vista disso, uma medida importante de civilização seria a posse de registros escritos. Essa visão é, atualmente, questionada pelos pesquisadores, que procuram analisar as diversas sociedades com base no próprio sistema de valores de cada uma delas.
  2. Podemos destacar: 1) Deus criou a matéria no Universo e, depois, formou os seres vivos, inclusive os seres humanos; 2) para um grupo distinto de criacionistas, as obras criadoras de Deus se manifestam durante seis dias de 24 horas; 3) para outro grupo representativo de criacionistas, a superfície da Terra foi dramaticamente alterada por conta de uma catástrofe global, conhecida como Dilúvio; 4) para um grupo considerável de criacionistas, a humanidade como um todo teve uma origem comum, que se deu a partir dos seres humanos que sobreviveram à grande catástrofe global.
  3.  A Revolução Neolítica envolve transformações geradas pelo uso da agricultura e pelo controle das fontes de alimento. Esse processo possibilitou a sedentarização do ser humano em diversas regiões, havendo, com isso, um grande aumento populacional e a formação dos primeiros núcleos urbanos. Assim, foi possível o aperfeiçoamento dos instrumentos de pedra, o uso da cerâmica, da tecelagem e da roda.
  4. Resposta pessoal. Vale lembrar que o modelo Criacionista e o Design Inteligente buscam, na ciência, subsídios para corroborarem os seus argumentos de um Criador.
  5.  Devemos levar em consideração os estudos sobre o Neolítico, que indicam um crescente nível de desigualdade social a partir do aperfeiçoamento das técnicas de produção. É necessário o seguinte questionamento: a desigualdade social é um processo natural no crescimento das sociedades? Além disso, não se pode desconsiderar, por outro lado, o modo com que o desenvolvimento tecnológico tem colaborado para diminuir as desigualdades.
  6.  C

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. a) A invenção da escrita como marco divisor entre a Pré-História e História trouxe consigo, por muito tempo, a ideia de divisão entre o mundo “primitivo” e o “civilizado”. Essa distinção, entretanto, é, atualmente, bastante questionada pelos estudos antropológicos. ///// b) Nas sociedades orais, a palavra é considerada sagrada e, portanto, deve ser preservada. A partir do estudo da oralidade, o historiador pode compreender a tradição e cultura dessas sociedades; por meio de métodos sistemáticos de informações orais, o estudioso pode compreender a história destes povos.
  2.  C
  3. A
  4. B
  5. C
  6. D
  7. E

1º EM: CORREÇÃO DE ATIVIDADES DE HISTÓRIA – MÓDULO I – 1º BIMESTRE

AGORA É SUA VEZ

  1. Entre os diversos itens, mencionamos: a valorização da diversidade cultural; estudo da ação individual e coletiva de diferentes sujeitos, e não apenas dos que são considerados heróis; relação profunda entre o passado e o presente na pesquisa e no ensino; ampliação do conceito de fonte histórica.
  2. Não se pode classificar as culturas como superiores ou inferiores. Quaisquer forma de racismo ou etnocentrismo devem ser evitados. Acima de tudo, deve-se buscar uma postura que respeite a diversidade cultural, extraindo de cada cultura aspectos positivos, apesar das diferenças.
  3. Devemos ter em mente que é de extrema importância o uso de fontes históricas, bem como a preservação das mesmas. Vários itens de nossa escola podem ser utilizados por historiadores no futuro, como os boletins escolares, tipos de avaliação, materiais didáticos usados, grade curricular, cadernos, anotações de professores e alunos.
  4. A prática da cidadania leva o ser humano a um modo de vida que leve em consideração diversos aspectos da vida humana. Entre eles, podemos destacar a Educação, uma vez que é nosso papel como cidadãos trabalhar para a melhora na qualidade do ensino em nossas escolas, quer sejam públicas ou privadas. A História, como disciplina, pode nos ajudar a compreender aspectos da vida humana no passado, nos levando a refletir no que tinham como educação no passado, no presente e como podemos ser agentes transformadores do futuro, trabalhando para a melhoria do ensino, bem como na busca de oportunidades iguais para todos.
  5. Esta resposta é pessoal. De modo geral, o etnocentrismo é a prática de consideração uma raça ou grupo social superior aos outros. É nosso papel trabalhar pela igualdade entre os homens.
  6. Vários elementos podem ser apontados, como o estudo das peculiaridades das mais diversas sociedades; a resposta que cada uma delas oferece aos problemas que enfrentam ao longo do tempo; a relação entre a história local e as grandes tendências do cenário internacional, entre outros.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. A) As obras produzidas pelos historiadores se fundamentam na análise e interpretação de fontes históricas. Até pouco tempo, acreditava-se que a História só poderia ser entendida por meio de documentos escritos. Assim, para muitos, só os povos com escrita teriam um passado a ser estudado. Para a maior parte dos pesquisadores atuais, as fontes históricas, também chamadas de documentos, registros ou vestígios, constituem aquilo que foi produzido por seres humanos, em diferentes épocas e lugares. Ou seja, os documentos escritos ainda são os principais materiais de pesquisa dos historiadores. ////////// B) Além dos documentos escritos, hoje existem estudos que utilizam diferentes fontes, como relatos orais, obras de arte, mitos e vestígios, entre outros. No caso destes últimos, podem ser estudados objetos do cotidiano, vestimentas, construções, etc. Essas fontes são fundamentais para o entendimento da economia e das relações sociais existentes no passado.
  2. V, V, F, F.
  3. B
  4. A
  5. D
  6. B
  7. 29 = 1+4+8+16+