COLONIZAÇÃO ESPANHOLA NA AMÉRICA: A CONQUISTA DO IMPÉRIO ASTECA

A conquista do Império Asteca é atribuída a Hernán Cortez. Em busca de ouro (o que fazia parte do Metalismo europeu), Cortez sai com 11 navios de guerra, 100 marinheiros, 600 soldados, 10 canhões e 16 cavalos, com o objetivo de chegar a Tenotchitlán e dominá-la.. Logicamente, com um pequeno contingente, não consegue dominar a cidade.

Porém, Cortez conhece a Jerônimo Aguilar, conhecedor da língua maia, e também Malinche, que falava tanto a língua maia como a asteca. Malinche foi oferecida a Cortez como prisioneira de guerra, convertida ao cristianismo, sendo a responsável por ajudar os espanhóis na conquista do Império Asteca. Era ela que fazia as traduções entre os povos americanos e europeus. No fim das contas, Malinche acaba se casando com Hernán Cortez. Ela é considerada pelos mexicanos, até hoje, como uma traidora, uma vez que se não fosse pela intervenção dela, os Astecas não seriam conquistados. Porém, veremos mais à frente que outros fatores contribuíram para o processo de conquista.

Precisamos lembrar que os Astecas eram fatalistas, sobretudo com o fim dos ciclos de seu calendário e, como em 1500 era o fim de um destes ciclos, passaram a crer em um possível fim dos tempos com a chegada dos europeus. A vitória só foi possível porque Hernán Cortez se associou a povos inimigos dos Astecas. Para que tivesse êxito, Cortez oferece uma série de benefícios, que não foram cumpridos depois da conquista.

Podemos perceber que Cortez se aproveitou das lendas, da ideia de uma tragédia iminente, da inimizade dos povos dominados e do apoio de Malinche para obter sucesso sobre os Astecas.

Hernán Cortez:

Malinche:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *