CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO V: GRÉCIA ANTIGA

AGORA É SUA VEZ

  1. Devemos ressaltar aqui as condições técnicas eleitorais brasileiras, capazes de anunciar o nome do presidente  eleito no mesmo dia em que ocorre sua eleição; a possibilidade de se instalar terminais interligados ao sistema judiciário eleitoral em vários locais, permitindo a contínua comunicação do eleitor com a Justiça Eleitoral. Títulos Eleitorais em forma de cartões magnéticos facilitariam essa atividade, embora ainda exista a compra de votos. Devemos destacar, no entanto, que os meios de comunicação-informação deveriam ser protegidos por lei de todo tipo de pressão e, acima de tudo, apolíticos. Ainda uma última e fundamental questão a ser destacada é o sistema educacional do país, que deve ser capaz de formar cidadãos conscientes, críticos e ativos, capazes de analisar e julgar todas as informações possíveis a respeito do político.
  2. C
  3. B
  4. As Guerras Médicas (Pérsicas) entre gregos e persas ocorreram a partir do século V a.C. e duraram aproximadamente 50 anos. O início do conflito se deu com o contato entre gregos e persas na região que hoje corresponde à Turquia. Mas logo esse conflito chegou ao território grego, onde os persas prepararam um ataque massivo aos atenienses, que estrategicamente os detiveram. Após diversas batalhas, os persas foram derrotados. Essas guerras mudaram a História da Antiga Grécia, marcando o início de um período de união seguindo de várias disputas, fragilizando todo o país e possibilitando, por fim, sua dominação pelos macedônios, dando início ao grandioso e efêmero Império Greco-Macedônico, cujo grande nome foi o general Alexandre, o Grande.
  5. Resposta pessoal. O conceito de cultura nos ajuda a entender melhor “o conjunto das realizações humanas, materiais ou imateriais”, consideradas fundamentais na compreensão do processo histórico.
  6. Resposta pessoal. A contextualização cultural, geográfica, cronológica e histórica é de suma importância para pautar o trabalho do historiador e a análise da História.
  7. Resposta pessoal.
  8. Alexandre fundou inúmeras cidades, as famosas Alexandrias, que se tornaram centros difusores da cultura grega, promovendo a mistura desta com as culturas orientais, o que ficaria conhecido como helenismo.
  9. Resposta pessoal e de pesquisa.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. a) No lendário país habitado pelos Ciclopes, não há lei, governo e, tampouco, a ideia de cidadania, o que não ocorre na maioria das cidades gregas antigas, em que há todas essas características. /// b) Esparta destacava-se por sua estrutura militar e por seu governo oligárquico. Atenas destacou-se por suas características democráticas, atingidas depois de um longo processo de evolução política. /// c) A democracia grega não permitia a participação das mulheres; porém, abria a possibilidade de cada cidadão (homem, ateniense e livre) participar ativamente das decisões políticas. A democracia atual permite a participação da mulher; no entanto, faz com que a atuação do cidadão na administração do governo se dê por meio de um representante.
  2. 13 = 1+4+8
  3. C
  4. C
  5. A
  6. B
  7. E
  8. a) A identidade dos gregos não era estabelecida por sua unidade política, pois eles se organizavam em cidades-Estado, caracterizadas pela autonomia. No entanto, sua origem (aqueus, eólios, dórios e jônios), sua língua (ática) e sua religião (politeísta e antropomórfica) os faziam gregos. /// b) Era a cidade-Estado grega. Cada uma das mais de cem pólis vivia autônoma politicamente, não havendo, portanto, a não grega no sentido político do termo.
  9. A
  10. E
  11. B
  12. A
  13. B
  14. D
  15. A Confederação (ou Liga) de Delos  foi uma reunião das várias cidades gregas, sob a liderança de Atenas, para enfrentar os persas. Depois das Guerras Médicas, os atenienses passaram a exercer forte influência sobre as demais cidades-Estado. Já a Guerra do Peloponeso foi um conflito entre aliados de Atenas e Aliados de Esparta, que disputavam a hegemonia na Grécia. A Guerra teve duração de quase 30 anos e provocou, por fim, a derrota de Atenas e o fim da sua era de prestígio.
  16. a) A cidade grega caracterizava-se pela sua independência em relação às demais. Neste contexto, o conceito de Estado era encontrado em cada cidade que, em sua autonomia, nao estava vinculada politicamente às demais, formando o que veio a ser conhecido cidade-Estado. /// b) Os poucos polos de fertilidade do território grego não favoreceram  a prática da agricultura, que, majoritariamente, se restringiu à produção para o consumo local. Em relação ao  comércio, a despeito da existência de um litoral recortado e nem sempre propício a aportamentos, algumas regiões portuárias se destacaram; por exemplo, o litoral ateniense. A localização da Península Balcânica favorecia o contato com comerciantes que circulavam pelo Mar Mediterrâne, o que fez do comércio a atividade econômica principal dessa cidade.
  17. C
  18. a) O texto trata do Oriente conquistado por Alexandre. Na perspectiva grega, todos os povos que tinham culturas diferentes da grega eram considerados bárbaros. /// b) Alexandre tentou integrar política e culturalmente todos os povos das terras conquistadas. Havia a preocupação de difundir o pensamento grego, o que resultou nas reelaborações culturais conhecidas como Helenismo. /// c) Foi no Século V a.C que a democracia ateniense atingiu a maturidade. Esse século conheceu o governo de Péricles, que criou edifícios imponentes na cidade-Estado. Atenas vivenciou, neste momento, o auge de seu desenvolvimento cultural e artístico. Depois das Guerras Médicas, Atenas estabeleceu sua hegemonia sobre a região.

6º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO CAPÍTULO 3 – MESOPOTÂMIA

PÁGINA 44:

  1. SEQUÊNCIA CORRETA DAS RESPOSTAS: F, F, V, F, V, V.
  2. Resposta pessoal. Lembre-se que a Mesopotâmia era uma sociedade patriarcal, ou seja, o homem era considerado superior à mulher. Na atualidade, devemos ter em mente a ideia de igualdade de todos, devendo tanto homens como mulheres terem os mesmos direitos e possibilidades de trabalho, estudo e oportunidades.

PÁGINA 48:

3. Com o poder que lhes pertencia, os reis estabeleciam o pagamento de tributos e ordenavam o trabalho da população livre, em certas épocas do ano, em prol da realização de obras monumentais. Além disso, tinham a seu favor o poder exercido pelos sacerdotes, já que a religião era muito presente no cotidiano.

4. a) Mesopotâmia ///b) petróleo ///c) agricultura ///d) irrigação ///e) sumérios/// f) Hamurábi ///g) assírios ///h) Nabucodonosor.

 

PÁGINAs 51 a 56:

5. C

6. Resposta pessoal. Leve em consideração a importância das leis existentes, bem como toda a política envolvida em sua elaboração. As leis existem para certo controle da sociedade pois, se não existissem leis, não haveria a possibilidade de pessoas que cometem erros sejam punidas.

7. Essa região serviu de ponte entre o Oriente e o Ocidente: muitos comerciantes europeus e orientais cruzavam essa área para realizar seus negócios. Vários povos e impérios marcaram sua história, disputando principalmente as áreas férteis, próximas aos rios. Hoje, por outros motivos, a região ainda é alvo do interesse mundial. Proprietária de um dos recursos naturais mais importantes para o homem atual (o petróleo), tem atraído a atenção do mundo, que ainda depende dessa fonte de energia.

8. A despeito da forte religiosidade caracterizada, o foco de suas atividades sagradas estava no presente. Acreditavam na vida após a morte, porém, não entendiam que esta seria uma espécie de extensão da vida presente. Não haveria recompensas ou punições. De maneira geral, todos os mortos teriam destino semelhante.

DEFENDA SUAS IDEIAS.

  1. Respostas pessoais.
  2. Resposta pessoal.

O QUE VOCÊ VÊ – PÁGINA 54

a) Os especialistas costumam identificar o rei de Ur por meio de seu tamanho maior, que pode representar poder. Outras possibilidades podem ser a posição e a roupa diferenciadas.

b) Na primeira linha, podem ser identificadas cenas de guerra, com carros puxados por animais atacando pessoas inimigas. Acima, os prisioneiros de guerra são levados por soldados, que parecem vestir peados mantos e elmos amarrados sobre o queixo. Suas lanças, na horizontal, ameaçam os prisioneiros. Por fim, na figura de cima, prisioneiros são levados diante do rei de Ur.

c) Em duas linhas, podem ser identificadas pessoas levando produtos e diferentes animais. Provavelmente, estão sendo levados tributos ao palácio real. Acima, pode ser visto o rei, diante dos músicos e da Corte. Pode-se deduzir isso pela veste e pela posição das pessoas. Ao que parece, elas participam de um banquete.

d) Pelas imagens, verifica-se principalmente o poder do rei na sociedade, centralizando as atividades. Além disso, destacam-se o papel da guerra, da escravidão e do peso dos tributos, que sustentavam a riqueza palaciana. Tal riqueza pode ser vista pelas pessoas que eram mantidas no palácio. Havia também músicos diante do rei.

TEXTO COMPLEMENTAR – PÁGINA 55 E 56

  1. O rei da Babilônia, Hamurábi.
  2. Resposta pessoal.
  3. O Código de Hamurábi é um bloco de pedra com mais de 2 metros de altura, contendo introdução, 282 artigos com 3.600 linhas e epílogo. Foi encontrado por arqueólogos em 1902, ou seja, há mais de cem anos.
  4. Resposta pessoal.
  5. Resposta pessoal.
  6. Resposta pessoal.

7º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO CAPÍTULO 3 – CRUZADAS E CRESCIMENTO COMERCIAL E URBANO

PÁGINA 48

Podemos citar estes 4 fatores: 1) invenção da charrua e o uso mais intenso da roda d’água, aumentando a produção de alimentos; 2) novas condições comerciais, que permitiram acesso a mais produtos, diminuindo o número de mortes; 3) práticas higiênicas que foram mudando no decorrer do tempo, diminuindo as enfermidades e mortes; e 4) diminuição das invasões, reduzindo os mortos em conflitos e guerras.

 

PÁGINAS 51 E 52

  1. Essa região é considerada, desde tempos antigos, a Terra Prometida para os judeus, tendo sido prometida a Abraão. Para os cristãos, ela é a Terra Santa, onde Jesus nasceu e viveu. Para os muçulmanos, Maomé foi levado ao céu quando estava em Jerusalém.
  2. Resposta pessoal. Podemos destacar que, entre os cristãos da Europa medieval, não existia a noção moderna de liberdade religiosa, e os cristãos atacavam tanto judeus como muçulmanos.
  3. Para colorir o mapa, use como referência o mapa na página 49.
  4. Para correção do mapa mental, será enviado um arquivo pdf aos líderes da sala, que deverão compartilhar com a turma.

PÁGINA 58 E 59

  1. Os cambistas eram importantes porque promoviam as trocas entre as moedas regionais. Também forneciam papéis que garantiam um depósito feito em determinado local, podendo ser retirado pelo depositante em outra localidade. Isso mantinha seguro o dinheiro do comerciante que efetuou o depósito. Esses papéis eram chamados letras de câmbio.
  2. Muitas cidades tiveram seu ponto de partida em pequenos burgos, locais fortificados ao redor dos castelos, onde começou a se aglomerar o excedente populacional resultante da crise feudal. Os habitantes desses novos aglomerados populacionais não viviam mais da terra, e sim de atividades comerciais, passando a ser chamados de burgueses (habitantes do burgo/cidade).
  3.  1. CAMBISTAS; 2. CHARRUA; 3. CRUZADAS; 4. CHAMPAGNE; 5. GUILDAS; 6. PALESTINA; 7. INFIÉIS; 8. HANSEÁTICA; 9. FRANCAS.
  4. D
  5. B

PÁGINA 61:

O texto transmite uma ideia dos valores e ideais do cavaleiro medieval. Entre outras coisas, podemos mencionar que o cavaleiro deveria lutar contra bandidos, assaltantes e invasores. Para isso, ele deveria ser valente e religioso. Observe que a lenda do rei Arthur apresenta elementos cristãos e pagãos, como presença da magia. Esse hibridismo também pode ser mencionado.

PÁGINA 62: A

PÁGINA 64:

a) Resposta pessoal. Podemos citar aqui a vacinação contra a gripe, que está acontecendo nestes dias, imunizando idosos, professores, entre outras categorias.

b) Ela é transmitida pelo Aedes aegypt. A melhor forma de evitá-la é combatendo os focos de acúmulo de água (locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença) como em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerante, pneus velhos, vasinhos de plantas, caixas d’água, entre outros.

c) Um exemplo de como as epidemias podem influenciar o nosso modo de vida podemos perceber nos dias atuais. O coronavírus é uma epidemia que tem levado o mundo todo a tomar cuidados específicos no que se refere ao isolamento social. Contudo, tem-se discutido como todo esse confinamento irá impactar a economia.

 

2º ENSINO MÉDIO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO II – ILUMINISMO

  1. A revolução científica do Século XVII abriu espaço para grandes mudanças no pensamento científico, e Galileu Galilei contribuiu para isso. Foi um período em que ocorreu a “matematização” do espaço, e a pesquisa experimental abriu novas fronteiras. Alguns defendem que ocorreu uma separação entre a ciência e a filosofia. Galileu rompeu com o pensamento antigo e medieval que defendia o geocentrismo. Com isso, a ciência moderno provou o heliocentrismo. A Igreja Católica, com sua grande influência e poder, apoiava-se no geocentrismo, Desse modo, Galileu, pai da ciência moderna, foi punido pelas suas ideias.
  2. 17 = 1+16
  3. Segundo Locke, o modelo de governo civil surge por meio de um pacto social, e os abusos de autoridade devem ser combatidos pela sociedade. A liberdade dos indivíduos é um aspecto importante e não pode ser sufocada por autoridades que buscam o Absolutismo. Além disso, os mesmos cidadãos que permitiram que um governo fosse estabelecido podem também revogá-lo, caos os deveres do governante não estejam sendo cumpridos.

PÁGINAS 25 E 26

4. O texto propõe uma forma de se avaliar a prática dos governos. Rousseau explicita isso , quando aponta que é virtualmente impossível responder à primeira pergunta, sobre qual é o melhor governo. Ele defende no texto que, para cada povo , haverá situações e circunstâncias, relativas ou absolutas, que tornam quase sem sentido a busca dessa resposta. Já a segundo pergunta é pertinente e, sobretudo, útil.

5. Segundo o texto: “O governo, sob o qual, sem meios estranhos, sem naturalização, sem colônias, os cidadãos habitam e se multiplicam por mais tempo é infalivelmente melhor; aquele sob o qual um povo diminui e perece é pior.” Sobre os sinais de um bom governos na atualidade, você deve observar de forma crítica os governos existentes, sobretudo no Brasil, decidindo o que considera como importante para o mesmo ser considerado bom.

6. Resposta pessoal. Escolha um dos filósofos do Iluminismo que trata de política e explique suas ideias. Da mesma forma, um que trate de aspectos econômicos também é importante.

7. a) Diderot é associado às ideias do Iluminismo./// b) Absolutismo Monárquico./// c) Vários motivos podem ser mencionados: poder absoluto dos reis, sociedade estamental, monopólios da economia mercantilista, falta de liberdade de expressão e intolerância religiosa.

 

PÁGINAS 27 A 31

8. Despotismo esclarecido. Ocorreu em alguns países da Europa que tentaram conformar monarquistas absolutistas com a filosofia iluminista. Houve esforços para modernizar o Estado, enfraquecendo propostas de ruptura com o Absolutismo. Entre as reformas, déspotas esclarecidos promoveram a educação pública e o aprimoramento dos sistemas de arrecadação de impostos para amenizar o peso das cobranças que recaíam sobre as classes populares.

8. a) O texto 1 sugere que a peste tenha sido causada pela “justa ira divina”, ou seja, um castigo de Deus aos seres humanos. Essa compreensão fortemente influenciada pelo pensamento religioso medieval. Já o diálogo do texto 2  mostra a tentativa de explicar racionalmente o fenômeno de um terremoto, mostrando a influência do Racionalismo e do Iluminismo./// b) O texto 2 foi escrito por Voltaire, importante representante da filosofia iluminista. Suas ideias são marcadas pela crítica à visão religiosa medieval e pela defesa da razão e da ciência.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. D
  2. A
  3. D
  4. B
  5. B
  6. A
  7. E
  8. B
  9. E
  10. C
  11. E
  12. E
  13. D
  14. E
  15. E

1º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO IV – HEBREUS, FENÍCIOS E PERSAS

AGORA É SUA VEZ

  1. Êxodo: episódio que trata da saída do povo hebreu do Egito, sob liderança de Moisés. Segundo a Bíblia e a tradição hebraica, essa peregrinação durou cerca de 40 anos. Durante esse período, os filhos de Israel teriam recebido os Dez Mandamentos. Ainda hoje, as festividades da Pessach (Páscoa) ocorrem como celebração desse episódio. A manutenção desta comemoração é uma das várias formas por meio das quais os judeus da atualidade se conectam à sua história e às suas tradições. /// Diáspora: episódio ocorrido cerca de 70 d.C., quando o general Tito, em nome do Império Romano, sufoca uma revolta na província romana da Judeia, destruindo o Templo de Jerusalém pela segunda vez. Dentre as principais consequências dessa repressão, destaca-se a dispersão (diáspora) do povo judeu pelo mundo. Os resultados dessa dispersão podem ser verificadas ainda hoje. Com a fundação do Estado de Israel, após a Segunda Guerra Mundial, o povo judeu voltou a ter uma pátria. No entanto, as condições em que essa nova nação foi estabelecida acabaram gerando conflitos par aos quais ainda não há solução. São os famosos conflitos árabe-israelenses.
  2. Resposta pessoal. Tenha em mente as razões que levaram ao estabelecimento de determinadas regras existentes na Torá e sua ligação com o contexto histórico do período em que foram escritos.
  3. A escrita é importante para a manutenção dos mais variados tipos de saberes humanos. Como exemplo, podemos citar o trabalho que é desenvolvido no Colégio, que se tornaria muito mais difícil sem o uso da escrita. Além disso, podemos destacar que a escrita nos dá acesso a uma diversidade de informações do mundo.
  4. À época do Império Persa, os sátrapas era, designados pelo imperador, sem que houvesse espécie alguma de consulta popular. Atualmente, no Brasil, a população elege seus representantes em todas as instâncias: municipal, estadual e federal.
  5. Tiro foi uma das mais importantes cidades fenícias. Em seu grande porto, mantinha-se relações comerciais com toda a área do Mediterrâneo. Nesse sentido, o texto apresenta a importância do mar e de alguns dos variados produtos comercializados na região para os fenícios.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. B
  2. SEQUÊNCIA CORRETA: F, F, V, F, V.
  3. C
  4. B

6º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO CAPÍTULO 2

PÁGINA 22

  1. Podemos identificar na imagem a presença de animais. O significado das pinturas rupestres não é totalmente entendido pelos pesquisadores, mas mesmo assim é possível conhecer aspectos do cotidiano de populações do passado por meio delas. Por exemplo, muitas imagens em pinturas rupestres mostram cenas de caça ou atividades coletivas, como dança e tiros.
  2. Os arqueólogos possuem técnicas de pesquisa que permitem analisar a história das sociedades a partir de sua cultura material. Esta se refere aos objetos e materiais diversos produzidos por um povo. Essa análise se aplica não apenas aos povos antigos, mas também à compreensão das sociedades contemporâneas.

PÁGINA 26

3. Ambos defendem o relato bíblico da criação. No entanto, os fixistas acreditam que as características dos seres vivos foram fixas, ou seja, não houve nenhuma mudança desde quando foram criados. Os criacionistas modernos, por sua vez, aceitam que ocorreram mudanças limitadas nos seres vivos ao longo do tempo. Isso significa que podem ser observadas algumas transformações biológicas (microvariações).

4. Esta é uma resposta pessoal. Você deve aqui citar aspectos que você considerou mais importantes no que se refere ao criacionismo.

 

PÁGINA 28

5. Assim como na atividade 4, você deve destacar três pontos que te chamaram a atenção sobre o evolucionismo.

6. SEQUÊNCIA CORRETA: F, V, V, F, F, V, F.

 

PÁGINAS 30

7. De acordo com muitos estudiosos, nesse período ocorreu uma revolução em virtude do desenvolvimento da agricultura, o que possibilitou a sedentarização. Isso ocorreu geralmente próximo a grandes rios e colaborou para o aumento populacional, talvez em mais de vinte vezes. Foi um período também de grande desenvolvimento nas formas de trabalho. A rapidez dessas transformações justifica o uso do termo revolução

8. D

 

PÁGINA 32.

Baseando-se nos textos da página 31, podemos responder:

a) TEXTO 1: O autor defende o criacionismo, argumentando que a ciência tem verificado cada vez mais planejamento na natureza. Além disso, ele diz que as pessoas estão habituadas a aceitar tudo o que recebem dos meios de comunicação sem questionar. Isso se deve ao fato de a mídia, de modo geral, defender  evolução.

TEXTO 2: O autor defende o evolucionismo, argumento que os seres humanos são também animais. Além disso, ele defende que uma das evidências da evolução é a semelhança entre os seres vivos, que teriam ancestrais comuns.

b) Quem somos? Filhos de Deus.

De onde viemos? Fomos criados por Deus, portanto, temos uma origem divina.

Para onde vamos? Assim como a História humana teve um começo, terá também um fim, que aponta para a eternidade.

c) A mídia aponta o modelo da evolução como inquestionável, e nega-se qualquer ideia criacionista. Por isso, é importante conhecer o criacionismo, par que se conheçam os limites do modelo evolucionista. O próprio texto traz algumas evidências em favor do criacionismo: “1) o ajuste fino do universo (teleologia); 2) a existência de estruturas irredutivelmente complexas nos seres vivos, que tinham de funcionar perfeitamente desde que foram criadas, ou não chegariam aos nossos dias; e 3) a informação complexa especificada no material genético, que só a inteligência pode originar.

 

PÁGINAS 37 A 39

9. a) Geologia/// b) Sedentarismo/// c) Erectus/// d) Paleolítico/// e) Bering/// f) Sambaquis.

10. SEQUÊNCIA CORRETA: D, A, C, E, B.

O QUE VOCÊ VÊ

a) Porque nessa região há centenas de sítios arqueológicos fundamentais para os estudos sobre a presença do ser humano no continente americano. Nesse parque existe a possibilidade de conhecer aspectos importantes dos antepassados dos povos indígenas brasileiros. O local deve ser preservado para que as futuras gerações possam conhecer esse rico passado humano.

b) Como exemplo de patrimônio histórico em nossa região, podemos citar o Convento da Penha, na cidade de Vila Velha, pois é uma representação da religiosidade do povo espírito-santense, sobretudo no período colonial brasileiro.

7º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO CAPÍTULO 2 – SOCIEDADE E CULTURA FEUDAL

PÁGINA 26 – TEXTO COMPLEMENTAR

R.: Não. O texto procura explicar a importância de cada grupo social, que deve cumprir seu papel. Assim, embora as condições dos servos fossem difíceis, eles deviam aceitá-la como parte do plano divino.

PÁGINA 28 – ATIVIDADES

  1. Feudal é uma palavra de origem germânica ou celta, que sisgnifica “direito de usufruir qualquer bem”; está geralmente relacionada à terra, mas poderia também ser o direito de cobrar taxas de pedágio para atravessar um caminho ou ponte, ou o direito de usar um moinho, ou ter um cargo importante. Era, assim, um benefício ou propriedade dado por um senhor de terras.
  2. Não havia o que hoje chamamos de Constituição, conjunto de lei a que todos devem obedecer. O poder era descentralizado, e a relação entre os nobres (senhores feudais) era baseada mais em costumes e tradições do que em leis formalmente elaboradas. Além disso, havia as relações de suserania e vassalagem, que marcavam as disputas políticas na época.
  3.  SEQUÊNCIA CORRETA: F, V, V, F, F, V, F, F, V, V.

PÁGINA 29 – ATIVIDADE

A questão desta página está tratando especificamente de uma economia de subsistência. Logo, devemos entender que, na Idade Média a produção era o suficiente para a alimentação do povo, não sobrando muita coisa do que era produzido. Isso é uma economia de subsistência.

PÁGINAS 33 E 34

  1. SEQUÊNCIA CORRETA: feudo, vilões, suserano, banalidades, vassalo, agrícola, subsistência, servil, comunal, corveia.
  2. C
  3. Muros, alarmes e segurança reforçada indica a preocupação com a violência, resultado, sobretudo, da desigualdade social nas grandes cidades, muito embora não exista uma causa única responsável por este problema.
  4. C

PÁGINAS 41 E 42

  1. A maioria das expressões culturais, em seus mais variados níveis ou formas, estava fortemente influenciada pela religiosidade medieval.
  2. a) O clero regular era formado por monges, que viviam afastados da sociedade, nos mosteiros. /////b) A Arte na Idade Média tinha forte influência religiosa, uma vez que a Igreja Católica era o centro dessa sociedade, sendo a única igreja cristã. /////c) A Igreja conseguia manter a sua força, o que lhe garantia o crescimento da influência dela na Idade Média.
  3. Não, pois muitas vezes ocorrem conflitos entre o clero e a nobreza. Um exemplo foi a chamada Querela das Investiduras, disputa que teve origem no crescimento de m movimento que visava diminuir a influência que a nobreza exercia sobre o clero.

O QUE VOCÊ VÊ: a) Podemos ver nas duas imagens, fotografias de Igrejas do Período Mediaval, cada uma com seu estilo próprio.

b) A primeira Igreja ilustra um estilo gótico; a segunda, o românico.

PÁGINA 44

  1.  A Igreja promovia festas das quais os camponeses mais humildes podiam participar. Casamentos e nascimentos eram comemorados com festas que poderiam reunir grande número de pessoas. Havia ainda os músicos e artistas que viajavam pelos principais lugarejos e cidades, encenando, cantando e tocando para quem quisesse assistir. Em períodos de clima mais quente eram realizados jogos esportivos que poderiam reunir significativo número de pessoas para a época.
  2. Resposta pessoal. Leve em consideração a intolerância religiosa da Idade Média e a liberdade religiosa que temos hoje.

2º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO IV

PÁGINAS 47 E 48: AGORA É SUA VEZ.

  1. No fim do século XVII, a América colonizada pelos portugueses enfrentava grandes dificuldades financeiras, sobretudo porque os portugueses perderam muito de seu comércio colonial no período de dominação espanhola. Diante da necessidade de aumentar recursos, os governo do Rei D. João IV começou uma política de maior controle sobre a colônia. Em 1642, foi criado o Conselho Ultramarino, órgão responsável pela administração colonial. Com isso, cresceu a autoridade dos governadores gerais nomeados pelo rei e diminuiu o poder dos que governavam as câmaras municipais. Os presidentes das câmaras eram nomeados pelos “homens bons”, mas os cargos passaram a ser ocupados pelos “juízes de fora”, nomeados pelo Conselho Ultramarino. A centralização administrativa levou o governo português a entregar o comércio de produtos coloniais a particulares ou a companhias. Foi dessa maneira que a Companhia Geral do Comércio do Estado  do Brasil passou a ter exclusividade sobre as relações comerciais da região entre os atuais estados do Rio Grande do Norte e São Paulo.
  2. A principal atividade econômica do Século XVIII foi a mineração, que formou a região que ficou conhecida como  Minas Gerais, de onde se extraía ouro e diamantes. Por conta das tentativas de contrabando, a Coroa determinou rígidos controles sobre os caminhos das áreas mineradoras. Além disso, era importante garantir a devida cobrança de impostos.
  3. a) Os emboabas eram forasteiros que chegavam de outras regiões, ou mesmo portugueses, a fim de enriquecer. Os paulistas julgavam ter direito de posse sobre as minas e, por isso, guerrearam contra os exploradores de outras áreas. ///// b) Pode-se destacar a formação de cidades (urbanização), sociedade mais diversificada, crescimento demográfico, transferência do eixo econômico do Nordeste para o Sudeste.

AGORA É SUA VEZ: PÁGINA 51

4. 5 = 1+4

5. 10 = 2+8

6. a) Em evidência encontra-se a figura do Marquês de Pombal, representante do chamado despotismo esclarecido português. Destacam-se também na imagem as navegações, representando o comércio ultramarino e os domínios coloniais. ///// b) O texto apresenta alguns exemplos. Podemos mencionar, por exemplo, o aperfeiçoamento dos métodos de arrecadação fiscal, como a cobrança do quinto.

7. 15 = 1+2+4+8

PÁGINAS 54 A 59

AGORA É SUA VEZ

8. A comparação entre a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana é frequentemente cobrada em exames. Pode-se destacar que, na Inconfidência, predominavam os grupos da elite, ao passo que, na Conjuração, houve participação de grupos populares, alguns dos quais defendiam a abolição da escravidão, aspecto rejeitado pela maioria dos inconfidentes. Movimentos políticos ou filosóficos que influenciaram as insurreições: Iluminismo, independência dos EUA, Revolução Francesa (no caso da Conjuração Baiana), republicanismo.

9. a) Histórico: o reconhecimento enaltece o esforço do movimento formado por negros, mulatos, escravos e homens livres pobres, cujo objetivo era mudar a estrutura escravista em que viviam  com ideias de liberdade e igualdade. Defenderam um governo republicano, a abolição da escravidão e o livre comércio. ///// b) Político: está associado a movimentos negros contemporâneos, que procuram resgatar o protagonismo popular nas ações de destaque da História do Brasil, sobretudo naqueles em que se empreenderam grandes esforços na luta contra a escravidão e a discriminação. São tentativas de releitura do passado, a partir do olhar atual de respeito à diversidade cultural e racial.

10. a) A tabela será postada no E-CLASS.  ///// b) Pode-se destacar o crescimento da exploração das minas de ouro na região que ficou conhecida com Minas Gerais. O resultado foi o crescimento urbano, o deslocamento populacional para o interior e a diversificação da sociedade.

 

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. E
  2. D
  3. E
  4. C
  5. C
  6. E
  7. D
  8. C
  9. A
  10. D
  11. A
  12. C
  13. E
  14. D
  15. C

 

 

1º ANO: CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DO MÓDULO III

AGORA É SUA VEZ

  1. Devemos ter em mente que a História é possível de diferentes interpretações, e a História Antiga não foge a essa regra. Além disso, precisamos ter em mente que o trabalho da Arqueologia é de extrema importância para a escrita dessa História. Esse texto, extraído da apostila, aponta isso: “A forma como geralmente esses assuntos são abordados nas escolas dá a falsa impressão de que tudo o que seria possível conhecer sobre a Antiguidade já está desvendado. Porém, a todo tempo, surgem diferentes perspectivas diante de novos achados arqueológicos”.
  2. No topo da pirâmide social figurava o rei, cujo o poder estava ligado à religião; em seguida, vinham os “homens livres”, de cujo grupo faziam parte os sacerdotes,  escribas, funcionários reais, soldados, camponeses, artífices, pequenos proprietários de terras e comerciantes, que tinham menor influência social. Na base, encontravam-se os escravos.
  3. Todas as respostas dessa atividade são de cunho pessoal. Ao respondê-las, tenha em mente o sistema judiciário mesopotâmico e o brasileiro.
  4. a) É provável que o rei queria demonstrar o seu poder e superioridade em relação aos outros povos. Repare que os habitantes de Tela não se prostraram aos pés de Assurbanipal. Ele tinha convicção de que era um representante dos deuses, devendo ser obedecido. ///// b) Em tese, cidades fortificadas, poderoso exército. ///// c) Como podemos perceber, os assírios eram, de fato, um povo bélico, ou seja, um povo que se valia da violência em suas guerras. Observe que, na conquista de Téla, o rei lançou muitos à chama, cortou mãos e dedos, nariz e as orelhas e, em alguns, o rei arrancou os olhos, além de afogar os filhos e filhas.
  5. Resposta pessoal. Podemos destacar que, de forma geral, os rios, na atualidade, não são tratados com o mesmo cuidado do passado. Podemos observar que as cidades cresceram em torno deles, não obedecendo o seu leito, o que leva a inundações em tempos de chuva, por exemplo. Podemos destacar também que o esgoto é canalizado para os rios, contaminando-os. Em decorrência disso, se faz necessário o tratamento dessa água para consumo. Em alguns casos, como o Rio Tietê, em São Paulo, o estado é tão crítico que se torna impossível tratar a água para ser utilizada pela população.
  6. Devemos ter em mente que, na atualidade, a ideia de legitimidade de um governante não se dá a partir da escolha dos deuses, mas da escolha popular. O presidente, governador, prefeito, por exemplo, estão no poder por terem sido eleitos pelo povo e, no caso do Brasil, democraticamente, através do voto. Logo, estes governantes têm responsabilidades e direitos. Por isso, a interlocução com o povo deveria ser muito maior. A diferença é clara em relação ao Egito Antigo, pois sua legitimidade residia no fato de ele ser uma divindade.
  7. Apesar de crerem na vida após a morte, os mesopotâmicos não a entendiam como algo desejável, pois, segundo suas crenças, os mortos habitariam um lugar profundo, escuro, sem ter esperança alguma de algo melhor. Essa ideia fazia com que as pessoas tentassem aproveitar a vida ao máximo, pois o que viria depois não era compensador. Já entre os egípcios, grande parte das atividades religiosas apontavam para a vida após a morte. Prova disso são os textos hieroglíficos que tratam do assunto, como o Livro dos Mortos, a mumificação, a construção de pirâmides.
  8. A
  9. A
  10. a) Crença na vida após a morte, politeísmo e antropozoomorfismo são algumas características da religiosidade presente na iconografia. Tais traços podem ser observados nos deuses que conduzem o morto em cada cena do julgamento. Anúbis tinha cabeça de chacal e habitava o deserto. Thot tinha cabeça de íbis, era associado à Lua e considerado o inventor da Matemática, contador e escriba dos deuses. Percebe-se que muitas dessas atividades eram humanas e realizadas na sociedade. Hórus tinha cabeça de falcão e era considerado o deus do céu. b) Podemos destacar na pintura egípcia duas características: 1) frontalidade: em geral, os corpos estão sempre virados para frente, apesar de as cabeças estarem, em sua maioria, representada em perfil; 2) verticalidade: os egípcios faziam suas pinturas na vertical.

DE OLHO NO VESTIBULAR

  1. Devemos destacar as funções administrativas e religiosas da escrita egípcia, que era fundamental para o domínio do governo faraônico sobre a sociedade. Na atualidade, o analfabetismo é uma barreira para a efetiva participação das pessoas nas discussões políticas e sociais. Por isso, o saber ler e escrever é fundamental ar o exercício da cidadania e deve ser acessível a todos os brasileiros.
  2. C
  3. D
  4. B
  5. D
  6. D
  7. C
  8. Sequência correta das respostas: V, V, F, V, F.
  9. B
  10. B

 

2º ANO: CORREÇÃO DO ESTUDO DIRIGIDO DOS MÓDULOS I E III

Olá, queridos alunos e queridas alunas. 

Vamos à correção das atividades que foram passadas no quadro! Lembre-se: estas atividades funcionam como um resumo para o estudo para  a prova. Porém, não deixe de ler o material do caderno e do livro, ok?

MÓDULO I:

  1. a) Criada em 1215, a Carta Magna impunha ao rei a aceitação de um conselho que podia limitar a sua esfera de ação. Esse conselho no futuro se transformou no Parlamento, mais importante instituição política dos britãnicos até aos dias de hoje. ///// b) Surgido através do Conselho criado pela Carta Magna, é a autoridade máxima do governo inglês na atualidade. Apesar de a Inglaterra ter uma Rainha e um Primeiro Ministro, é o Parlamento quem dá a palavra final acerca da criação de leis e das decisões políticas do país. Pudemos perceber isso no Brexit, a saída da Inglaterra da União Europeia, que só foi possível após aprovação do Parlamento.
  2. Os gentry, que eram membros da pequena e média nobreza rural inglesa, desejava diminuir a interferência e o poder do rei nas questões econômicas, especialmente quando identificava o favorecimento do monarca à nobreza tradicional, pouco interessada no desenvolvimento capitalista.
  3. Puritanismo foi (e é) um movimento religioso, surgido o século XVI, após a oficialização do anglicanismo como religião oficial do Estado. Eles não se autodenomivam assim. Esse termo é fruto da irinia dos seus opositores, que os consideravam muito severos, ou puros, em sua religiosidade. Baseavam sua fé nas ideias de João Calvino e dos reformados, dando origem aos presbiterianos que conhecemos hoje em dia. Na atualidade, o puritanismo ainda influencia a fé reformada, não só do presbiterianismo, mas de todas as igrejas cristãs adeptas da Teologia Reformada.
  4. Câmara dos Comuns: segundo informações do site “Mapa de Londres”, “é a câmara baixa do sistema bicameral britânico. Nela se reúnem os mais de 600 parlamentares eleitos pelo povo do Reino Unido nas eleições gerais. Os políticos eleitos para esta casa têm a prerrogativa de elaborar e debater as leis, além de fiscalizar e auxiliar o primeiro ministro e seu gabinete na execução da política nacional.” Os puritanos faziam parte da Câmara dos Comuns. Já a Câmara dos Lordes, segundo o mesmo site, é a Câmara Alta do Reino Unido. Seus mais de 700  membros não são eleitos pelo povo, mas sim por nomeação da Rainha por meio de recomendação do Primeiro-Ministro ou da própria Câmara dos Lordes. Muitos membros assumem uma cadeira como Lorde por transmissão Hereditária e também bispos e outros membros do clero possuem posições na Câmara Alta. Os membros da nobreza tradicional eram indicados a ela.
  5. Diversos motivos podem ser apontados: 1) a luta do Rei Carlos I contra os gentry; 2) combate ao Absolutismo; 3) uma possível volta da política de cercamentos, que favorecia a nobreza capitalista; 4) o intervencionismo econômico do Estado absolutista; 5) o fechamento do Parlamento por Carlos I; 6) instituição do anglicanismo como região oficial do Estado.
  6. A política de cercamentos era a transformação de terras de uso comum dos feudos, relacionadas à relação feudo-vassálica, ou das terras devolutas, para utilização como pastos de ovelhas. Isso favorecia a produção de tecido a partir da lã, mas ao mesmo tempo retirava terras dos camponeses.
  7.  No contexto da Revolução Puritana, eram camponeses, pequenos e médios proprietários livres. Cultivavam sua própria terra, abaixo dos gentry, mas que tinham direitos políticos.
  8. a) escavadores: eram trabalhadores agrícolas ou camponeses pobres que lutavam por igualdade social e invadiam terras para cultivá-las em regime cooperativo. ///// b) niveladores: eram homes que defendiam, além do fim da monarquia, o direito de votar e de se eleger a todos, a igualdade de todos perante a lei a separação completa entre Igreja e Estado.
  9. Apesar de Oliver Cromwell conseguir unificar o exército e prender o rei, substituindo a monarquia por uma república, ém seu período de governo adotou práticas análogas a uma ditadura como, por exemplo: 1) poder centralizado; 2) eliminação de movimentos e pessoas que se opunham a ele; 3) criação do Conselho de Estado, que obedecia a Cromwell; 4) nova Constituição, que garantia a ele indicar quem o sucederia no trono; 5) esta mesma Constituição lhe garantia governo vitalício.
  10. O Ato de Navegação foi um decreto de Cromwell, que determinava que todas as mercadorias a serem comercializadas pela Inglaterra deveriam se transportada exclusivamente por navios ingleses ou embarcações pertencentes ao país com o qual a Inglaterra realizava negócios. Era propósito dele prejudicar a Holanda, que obtinha intensos lucros com o comércio internacional, especialmente de produtos oriundos das colônias americanas. Um exemplo disso era o açúcar brasileiro, que era levado pelos holandeses para a Europa.
  11. a) Monarquia parlamentar: neste tipo de governança, que ainda existe na Inglaterra, existe a figura da Rainha (ou do Rei), bem como de um 1º Ministro. Porém, é o Parlamento que dá a palavra final acerca das decisões do governo. ///// b) Primeiro Ministro: em geral, ele faz parte do Parlamento, sendo indicado por essa instituição. Suas decisões não são a palavra final, devendo obediência ao Parlamento. ///// c) Por meio deste documento, o rei se comprometia a respeitar todas as decisões do Parlamento. Como podemos perceber, a frase “o reina, mas não governa” faz todo sentido dentro do contexto britânico/ inglês, fazendo com que a realeza seja mais uma questão de status do que de poder de fato.
  12. Sobre as Revoluções Industriais, é imperativo que você leia as definições de sua apostila, na página 9. É importante ter em mente a diferença entre as três revoluções para a prova.
  13. Podemos apontar como fatores que favoreceram o pioneirismo inglês para a Revolução Industrial: 1) o acúmulo de capitais, que favoreceram o sistema capitalista; 2) a criação, por Thomas Newcomen de uma máquina de drenar água acumulada das minas de carvão, que seria o primeiro protótipo da máquina a vapor; 3) financiamentos por parte de uma burguesia que desejava mais lucro; 4) os enclousures (cercamentos) realizados pela Coroa, que favoreceu a produção de tecidos, além de um forte êxodo rural, aumentando a mão de obra, cada vez mais barata; 5) imensas jazidas de carvão e minério de ferro, fundamentais para a fabricação e funcionamento das máquinas.

 

MÓDULO III

  1. Destacamos, entre outras coisas, o fato de os Pais Peregrinos terem sofridos perseguição religiosa na Inglaterra. Como pontuado no Módulo I,  os puritanos foram perseguidos por serem contrários à Coroa Inglesa, que impunha o anglicanismo como religião oficial do Estado. Por causa da aproximação do anglicanismo de ideias católicos, os puritanos se separam, mas são perseguidos e tratados com indiferença. Devemos destacar, porém, que esse ideário de liberdade, não era o que acontecia na América. Os puritanos tinham regras rígidas em suas doutrinas  e, geralmente, não aceitavam ser contrariados.
  2. No Sul do EUA a colonização de exploração foi presente, apesar de não ter sido em tão grande escala como os espanhóis e portugueses praticaram contra os ameríndios. Ainda assim, em uma colônia de exploração predominava o sistema de plantation, desenvolvido em extensas propriedades de terras – os latifúndios -, a utilização do trabalho escravo, o desenvolvimento da monocultura nestes grandes latifúndios e a exportação para o mercado inglês.
  3. No que se refere à colonização no Norte dos EUA, vale destacar que se adotou uma dinâmica diferente. As colônias eram, em tese, de povoamento, não havendo o interesse de exportação do que era produzido. No que se refere à forma de produção, podemos afirmar que era policultora – produção de diversos alimentos -, voltada para o consumo interno, sendo realizada por pessoas livres, em geral, a família dona dos minifúndios.
  4. O liberalismo econômico é uma doutrina que defende a não interferência do Estado nas questões econômicas. Essa doutrina passou a ter força a partir dos ideais iluministas, tendo Benjamin Franklin e Thomas Jefferson como principais defensores. O criador do Liberalismo Econômico foi Adam Smith (1723-1790), que acreditava que a liberdade econômica e política levariam ao crescimento de uma nação. Para conhecer mais sobre esta doutrina, leia o material na página 24, onde existem mais detalhes sobre. Diante disso, Franklin e Jefferson passam a defender a liberdade dos EUA da metrópole inglesa, tornando-se assim os ideais iluministas a mola propulsora da independência estadunidense.
  5. a) Lei do Selo: estabelecia uma taxação sobre todos os papéis comerciais ou legais, jornais, cartas e outros documentos que circulassem pela Colônia. Os colonos desejavam uma cobrança de impostos que viesse da decisão de suas próprias assembleias, o que levou nove colônias a questionar essa lei, pedindo sua anulação, que aconteceu em 1776. ///// b) Lei do Açúcar: a Coroa inglesa sobretaxou o açúcar que viesse de qualquer outra região que não fosse as Antilhas Inglesas, fazendo com que os colonos pudessem consumir somente o açúcar que viesse das regiões de domínio inglês. Isso levou ao encarecimento do produto, que era base da fabricação do rum, utilizado para negociação com os escravos. Com isso, até mesmo os escravos passaram a ser mais caros, afetando ainda mais a economia colonial. ///// c) Lei do Chá: o comércio do chá, bastante utilizado pelos ingleses, passou a ser monopólio da chamada Companhia das Índias Orientais, sediada em Londres. Essa lei tinha como objetivo controlar a venda do produto.  Isso levou os colonos a organizarem manifestações contra a metrópole, ficando mais conhecida, entre elas, a Festa do Chá de Boston. Além disso, em 1773, colonos disfarçados de índios dominaram 3 navios britânicos no porto de Boston para jogar o carregamento de chá no mar.
  6. Diante das atitudes de desacato praticadas pela Colônia, a Coroa inglesa criaram medidas repressivas para que as práticas de manifestações e levantes fossem consideradas condenáveis. Podemos destacar sobre essas leis: 1) determinação de fechamento do Porto de Boston até que o chá destruído fosse pago; 2) revogação da Constituição de Massachusetts, subjugando a Colônia a um tipo de ditadura; 3) determinação de que os oficiais ingleses acusados de abuso deveriam ser julgados em outra colônia ou na Inglaterra, em uma clara manobra para proteger os ingleses que estivessem na América; e 4) determinação de que as tropas inglesas permanecessem nas colônias e pudessem ocupar residências particulares. No 1º Congresso de Filadélfia, representantes das 13 colônias americanas estavam presentes para protestar contra tais leis. Um documento de protesto foi enviado à Inglaterra que, logicamente, não mudou a sua prática com a colônia. Na verdade, as tensões entre Coroa e Metrópole só aumentaram depois disso, com boicotes econômicos e comerciais, além de ataques ingleses a regiões de Lexington e Concord. Dava-se início, então, à Guerra de Independência. Vale a pena ler o material a partir da página 33 até à 35, onde fala do 2º Congresso de Filadélfia e os desdobramentos do mesmo que levaram à Independência dos Estados Unidos.
  7. O voto censitário, prática comum à maioria dos Estados americanos criados com a independência, definia quem poderia votar, levando em consideração a declaração de uma renda mínima do votante. Diante disso, é discutível o fato de que, neste momento, os EUA se tornava uma República democrática, pois somente aqueles que pertenciam a uma elite definida pelo seu ganho podiam escolher o seu governante.

 

Estudando História fora da sala de aula.