Arquivos da categoria: Sem categoria

Vírus contra a dengue?

Capaz de diminuir o número de partículas virais da dengue em células de mosquito,vírusdescoberto por pesquisadores de Estados Unidos e Brasil pode ajudar a entender como funciona o ciclo evolutivo da doença.

Por: Mariana Rocha (Ciência Hoje)

Vírus contra a dengue?

Ao infectar células do mosquito transmissor da dengue, o novo vírus diminui as partículas virais que causam a doença. A descoberta pode ajudar a entender como funcionam os mecanismos envolvidos no ciclo da infecção humana. (imagem: Ricardo Vancini/ JVI)

A descoberta aconteceu por acaso. Na tentativa de saber mais sobre a dengue, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) enviaram uma amostra contendo o vírus causador da dengue tipo 2 (DEN-2) para a Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, onde o biólogo brasileiro Ricardo Vancini faz seu PhD. Após análise em microscopia eletrônica, a atenção da equipe se voltou para a presença de um vírus nunca antes descrito e que pode elucidar questões importantes sobre o ciclo evolutivo da doença.

Capa do 'Journal of Virology'“Inicialmente, pensamos que era uma nova cepa do vírus da dengue, mas logo percebemos que sua morfologia era muito diferente do DEN-2”, diz Davis Ferreira, virologista do Instituto de Microbiologia da UFRJ e um dos autores do estudo que ganhou a capa da edição de março do Journal of Virology.

Além de ser estruturalmente distante do vírus da dengue, a caracterização do genoma do Espírito Santo Vírus (ESV) – homenagem ao estado de origem da amostra em que foi encontrado – confirmou a presença de um exemplar nunca antes descrito. Aparentemente, seu material genético apresenta organização similar à da família dos birnavírus, a qual abriga uma espécie que infecta moscas do gênero Drosophila.

Para entender os mecanismos de infecção do novo vírus, os cientistas inocularam partículas do ESV em cultura de células da larva do Aedes albopictus, mosquito que, assim como com seu parente mais conhecido Aedes aegypti, transmite a dengue. O ESV, da mesma forma que o DEN-2, mostrou-se capaz de infectar as células do inseto e esse experimento originou um dos pontos cruciais da pesquisa: a relação direta do ESV com ovírus da dengue tipo 2.

Expectativas e preocupações

Durante a infecção das células, os pesquisadores perceberam que o ESV possui maior sucesso na sua replicação quando invade células infectadas pelo DEN-2. Quando já está usufruindo dos mecanismos celulares para se multiplicar, o ESV impede a montagem das partículas de DEN-2, diminuindo a quantidade desse vírus dentro da célula.

A descoberta de um vírus que elimina a dengue ainda dentro do vetor pode se tornar uma grande aliada da ciência

Como o controle do mosquito transmissor da dengue tem se tornado cada vez mais difícil em função de sua resistência a diversos inseticidas, a descoberta de um vírus que elimina a dengue ainda dentro do vetor pode se tornar uma grande aliada da ciência.

No entanto, muitas questões ainda rondam a descoberta, pois não se sabe se o ESV pode ser responsável por algum dos sintomas atribuídos ao vírus da dengue durante a infecção. Por isso, é importante entender como o ESV e o vírus da dengue interagem.

Segundo Ferreira, a melhor compreensão dessa interação pode ajudar também nos estudos da febre amarela, já que os mosquitos A. aegypti e A. albopictus também são vetores do vírus causador da doença.

vírus da Vírus da dengue e o Espírito Santo Vírus
A microscopia eletrônica permite identificar as diferenças entre o vírus da dengue (à esq.) e o Espírito Santo Vírus (à dir.). Apesar de ambos apresentarem geometria semelhante a uma bola de futebol, o ESV é mais estável e sua estrutura é mais visível que a do vírus da dengue. (imagem: Ricardo Vancini)

Por outro lado, o estudo gerou preocupações e perguntas cujas respostas já estão sendo pesquisadas. Após encontrar o Espírito Santo Vírus, os cientistas questionaram a possível presença de outros vírus em amostras que, teoricamente, só continham o da dengue. “Esse tipo de coinfecção pode dificultar o estudo de proteínas para a criação de vacinas contra a doença, além de prejudicar a interpretação do diagnóstico”, explica Ferreira.

Fonte: Ciência Hoje

Uma célula que mudou de time

Fonte: CiênciaHoje

Uma platéia atônita assistiu, no último encontro da Sociedade para Estudo da Reprodução, em Québec (Canadá), a uma apresentação dos biólogos Paul W. Dyce, Lihua Wen e Julang Li. Em sua exposição, os três pesquisadores da Universidade canadense de Guelph mostraram que gametas femininos poderiam ser formados a partir de células da pele.A razão para a surpresa das pessoas naquela tarde fria em Québec é que os resultados apresentados pela equipe liderada por Li – que acabam de ser publicados na revista Nature Cell Biology – afrontam um dos princípios da biologia do desenvolvimento (a antiga embriologia, lembra-se?). Segundo esse princípio, seres vivos como eu e você surgem após a união de duas células germinativas (ou gametas) contendo, cada uma, metade de nosso patrimônio genético. Os gametas se transformam na primeira célula de verdade – a célula-ovo –, que irá se diferenciar em mais de 200 tipos celulares especializados.

Um dos primeiros eventos observados no embrião é a formação de dois grupos independentes das células: aquelas envolvidas com a reprodução – chamadas germinativas ou gametas – e as relacionadas com os demais atividades de nosso corpo, conhecidas como células somáticas (termo derivado de somatikòs, a palavra grega para corpo). As células de um grupo são incapazes de se transformarem em representantes do outro grupo. É como se um palmeirense ou um são-paulino (como eu) se tornasse de uma hora para outra um corintiano daqueles empedernidos. Algo impensável!

Comparação da estrutura formada por uma grande célula central circundada por células menores observadas nas células da pele formadoras de óvulos (no alto) e nos com óvulos normais (embaixo) (fonte: Dyce et al., 2006).

A equipe de Li utilizou em sua pesquisa fetos de porco com 40-50 dias, cerca da metade do tempo de gestação desses animais. As células da pele dos animais foram isoladas, mantidas em placas de cultura e, após algum tempo, foram observados alguns agregadoscelulares flutuantes que apresentavam em seu centro uma grande célula. Cerca de 10% desses agrupamentos, quando transferidos para outro local contendo gonadotropina (o hormônio que estimula a produção das células germinativas), se tornaram células com tamanho e aspecto muito similar ao dos óvulos. Além disso, as células produziam diversas proteínas encontradas somente nesses gametas e apresentavam estruturas internas observadas apenas durante um processo de divisão celular – conhecido como meiose – que ocorre apenas durante a formação de gametas.

Os cientistas constataram ainda que alguns desses agrupamentos celulares formavam estruturas com uma cavidade em seu interior, similares às observadas em uma fase do desenvolvimento embrionário conhecida como blastocisto. Neste caso, essas estruturas são denominadas partenotos, porque ocorrem em óvulos que não foram fertilizados durante a partenogênese (para aqueles que não se lembram mais das aulas do colégio, partenogênese é o processo de procriação observado em alguns seres vivos inferiores em condições ambientais adversas, sem a parte divertida do processo – o sexo).

Li e colaboradores observaram que esses agrupamentos celulares eram capazes de secretar os hormônios femininos estradiol e progesterona. Além disso, com os estímulos corretos, esse tipo celular se comportava como uma célula-tronco, capaz de se diferenciar em células amazenadoras de gordura (adipócitos) e neurônios.

As razões que levam células capazes de formar novos tipos celulares, incluindo gametas, a se refugiarem e permanecerem dormentes na pele – um local menos protegido que outras partes do nosso corpo – permanece um mistério.

Outra questão que pode ser levantada é se esse processo é natural ou se aconteceu apenas devido ao ambiente e às condições artificiais a que essas células foram submetidas durante os experimentos. Se for comprovado que esse fenômeno não é casual, resta desvendar o papel dessas células durante a vida adulta: elas são empregadas para repor quais populações de células? Respostas a essas questões podem, no futuro, abrir possibilidades fascinantes para enfrentarmos doenças degenerativas ou mesmo a infertilidade.
Fonte: Ciência Hoje

Olá galeria gente fina!

Bem-vindo ao Blog Ciências do Prof. Ronaldo Santana.

Nessa página pretendo compartilhar todo tipo de material com vocês, podem adicionar ao
s seus favoritos, pois, durante o ano letivo muitos dos materiais que eu utilizarei com vocês durante as aulas de Ciências estarão disponíveis nesse blog. Além de materiais para as aulas, como vocês podem ver, podem encontrar diversos materiais relacionados com Ciências. Aproveitem!